Panorama de Mercado - Outubro de 2021

André Falcão
Economista
16/11/2021

Principais Fatos Recentes

O relatório de Panorama de Mercado é um resumo elaborado com o intuito de trazer os principais acontecimentos relacionados ao mercado de investimentos. Abaixo, segue o link para o relatório enviado no mês passado, caso você não o tenha lido ainda:

A seguir, os principais temas abordados nesse relatório:

No decorrer do relatório, você também encontrará links para as principais notícias vinculadas nessas últimas semanas, caso deseje se aprofundar nos temas citados.

Caso prefira ver o panorama do mercado do mês de outubro em formato de vídeo, basta clicar no vídeo abaixo.

Economia Internacional

Retirada de Estímulos nos EUA

Após a crise de 2008 o FED, banco central americano, iniciou o processo de quantitative easing com o objetivo de estimular a economia a partir da compra de ativos do mercado financeiro. Esse processo foi intensificado durante a pandemia com a intensão de evitar uma recessão. 

Neste dia 03/11 o FED anunciou, enfim, o início da retirada desses estímulos, processo apelidado de tapering. A redução deve começar já em novembro de 2021 com previsão de terminar em 2022.

Acreditamos que essa é uma atitude mais economicamente responsável por parte da autoridade americana, apesar de muito atrasada. Contudo, os mercados podem sentir falta do apoio do FED, já que as compras de ativos vem sendo um dos principais motores da alta do mercado americano.

O FED, no entanto, continua a categorizar a inflação americana como passageira, resultante apenas dos descasamentos de oferta e demanda por conta da pandemia. Nós temos uma opinião que diverge dessa visão do FED, já que que o governo realizou grandes estímulos monetários nos últimos meses. O CPI, principal índice de inflação do país acumula alta de 5,4% nos últimos 12 meses.

Participação da Força de trabalho EUA

Ainda em níveis pandêmicos, o % de participação da força de trabalho dos Estados Unidos tem se mantido estavelmente baixo nos últimos meses, mesmo com o arrefecimento da pandemia e a recuperação econômica. 

Figura 1: Evolução na Taxa de Participação da Fora de Trabalho nos EUA

Acontece que boa parte da força de trabalho ainda não quis retomar as atividades, parte disso pode ser explicado pelos cheques de estímulos fornecidos pelo governo americano.

Para ter uma dimensão do que está ocorrendo, existe uma falta de trabalhadores no País, e para isso, cadeias de fastfood como o MC Donald’s estão repassando sucessivos aumentos de salário para manter seus restaurantes em funcionamento. Algumas lanchonetes da empresa chegam a pagar 21 U$$/hora para seus funcionários, o que equivale a cerca de R$19.000 por mês.

Pode ser uma imagem de ao ar livre
Figura 2: Alta nos Salários da MC Donald’s nos EUA

COP26 – Conferência Climática

Líderes mundiais se reúnem entre 31/10 e 12/11 para discutir metas globais para conter o aquecimento global. É esperado que dessa reunião sejam definidos objetivos para os países participantes para redução de emissões. Também é esperada a regulamentação do mercado de créditos de carbono.

Para o Brasil, a conferência pode ser importante para melhorar as relações internacionais do país, que tem sido pressionado por temas sensíveis para a pauta ambiental, como o desmatamento da Amazônia.

Crise Energética Ameaça Economia Global 

Conforme falamos no último relatório, a crise energética que a Europa e China passam tem causado receios sobre o desempenho da economia global. 

Revisitando o tema, alguns países passaram por um processo de intensa descarbonização de suas economias. Esse processo tem trazido alguns impactos negativos no fornecimento de energia nessas regiões, já que a geração de energia renovável não está sendo capaz de atender a demanda necessária por energia, dada a retomada econômica e, no caso da Europa, uma baixa produção eólica.

O chamado ESG (Environmental, Social and Governance) ultimamente tem focado principalmente no “E” de Environmental, que se refere às preocupações ambientais. Esse movimento, no entanto, deve ser visto com cautela. Um movimento extremo para troca da matriz energética pode gerar insegurança econômica e prejudicar financeiramente a sociedade, especialmente os mais vulneráveis, que são os primeiros a sofrer com reajustes nas tarifas de energia e aumento da inflação.

Conclusões

O cenário de desarranjos econômicos continua e pode perdurar para o próximo ano e ser mais um fator, além dos estímulos monetários, que faça com que a inflação global permaneça como um problema. 

Informações relevantes nos links a seguir:

Brasil: Economia e Política

Teto de gastos e debandada da equipe econômica

O teto de gastos foi um dos temas mais comentados de outubro. O teto é um limite para os gastos governamentais que tem como objetivo controlar a dívida pública e aumentar a responsabilidade fiscal dos governantes, por isso a sua importância.

Em outubro vimos que o “furo” no teto de gastos já passa a ser uma realidade, o que reduz a segurança econômica brasileira, trazendo pessimismo para os agentes do mercado. O governo pretende gastar mais que o permitido pelo teto para honrar com precatórios e atender ao novo programa de assistencialismo, o Auxílio Brasil.

O ideal, no entanto, é que os recursos para os programas sociais e os precatórios fossem realocados de outras despesas, e não através do rompimento do teto de gastos e aumento da insegurança fiscal brasileira. Após essas notícias, houve uma debandada da equipe econômica, o que reduziu ainda mais a credibilidade de governo. 

Esses foram um dos principais impactos para o mau desempenho da bolsa em outubro. A bolsa registrou queda, enquanto as taxas de juros e o dólar registraram altas. Esses fatores devem dificultar a recuperação econômica brasileira.

Alta na Selic

Na nossa avaliação, a continuidade da alta de juros era esperada e necessária para conter as pressões inflacionárias atuais.

Também acreditamos que a alta continuará nas próximas reuniões, dado que a inflação deve se alastrar para o próximo ano. Ainda mais, levando em conta a situação fiscal crítica, volatilidade do câmbio e elevação de preços dos combustíveis e da energia elétrica.

Atualmente, a previsão do mercado, através do Boletim Focus, é que a Selic alcance 8,75% até o final de 2021 e termine 2022 em 9,5%. Enquanto isso, a inflação prevista para 2021 é de 8,96%. Essas previsões têm sido revisadas para cima nos últimos meses, refletindo um aumento do pessimismo.

Achatamento na Curva de Juros

Em outubro tivemos um fenômeno do achatamento da curva de juros. Em termos práticos, o mercado precifica que o risco de pagamento de juros no curto prazo é tão alto quanto os de longo prazo, o que reflete o aumento da incerteza do momento atual, já que o habitual é que títulos mais longos paguem uma taxa maior.

“Economês” à parte, o importante é saber que movimentos como esse normalmente antecedem períodos de recessão. Não há certezas quando estamos nos referindo ao futuro, mas esse é mais um indicativo de que o momento atual pede cautela.

Figura 3: Evolução da Curva de Juros Futuro em Outubro (Fonte: B3 e Valor Econômico)

Confiança de consumidores e empresários

Consumidores continuam menos confiantes do que os empresários em relação à economia, essa divergência aumentou ainda mais em outubro quando tivemos uma queda expressiva da ICC (índice de Confiança dos Consumidores).

A baixa confiança dos consumidores pode ser um empecilho para recuperação econômica dado que leva a uma menor disposição ao consumo. 

Figura 4: Índices de Certeza Brasil

Conclusões

Há algum tempo temos sinalizado que a bolsa brasileira deveria enfrentar um momento de maior volatilidade e estamos nesse momento. Vale também lembrar que em 2022 haverá eleições presidenciais, momento que sempre traz consigo uma turbulência no mercado financeiro. 

A possibilidade de um ano pouco animador para economia em 2022 também é alta, impulsionada pela instabilidade política e fiscal, além da política monetária contracionista (juros altos).

O mais importante nesse momento é ter alocação em bons ativos, manter a estratégia de investimentos com foco no longo prazo e continuar com os aportes. Não há apenas bolsa de valores nos investimentos. Os nossos clientes recebem recomendações em diversas classes de ativos, é importante que a performance da sua carteira seja avaliada como um todo.

Informações relevantes nos links a seguir:

E aí, o que achou desse artigo? Quer receber mais artigos como este em primeira mão? Inscreva-se na nossa newsletter.

Panorama de Mercado - Dezembro 2021

Confira os principais acontecimentos do mês de dezembro do Brasil e do mundo, que impactam nos seus investimentos.
André Falcão
Economista

Panorama de Mercado - Novembro 2021

Confira os principais acontecimentos do mês de outubro do Brasil e do mundo, que impactam nos seus investimentos.
André Falcão
Economista

Manual do Pequeno Investidor

9 dicas simples de como ajudar na educação financeira do seu filho.
João Scognamiglio
Diretor de Consultoria

Panorama de Mercado - Setembro de 2021

Confira os principais acontecimentos do mês de setembro do Brasil e do mundo, que impactam nos seus investimentos.
André Falcão
Economista

Está em dúvida sobre contratar uma consultoria de investimentos? Faça essas 4 Perguntas antes de tomar uma decisão

Tem dúvidas se uma consultoria financeira é ideal para você? 4 perguntas para se fazer antes de tomar uma decisão de contratar esse serviço.
Arthur Falcão
Planejador Financeiro

Commodities: como investir e quais os 6 cuidados que você deve ter?

O Brasil tem observado um forte aumento do preços de commodities. Será que vale a pena investir em ações de empresas produtoras de commodities?
Arthur Falcão
Planejador Financeiro